Dor emocional, a angústia do nosso cérebro

doremocioEm face da decepção, do amor quebrado, da traição, da mentira ou da perda de um ente querido, sentimos dor emocional. Uma dor devastadora que se expressa em tons de poemas e canções cheias de sofrimento.

Essas intuições poéticas foram estudadas no campo da neurofisiologia, que demonstrou que a dor psicológica gerada por um tipo de perda social ou emocional se reflete em nossos circuitos cerebrais.

Concretamente, é possível saber isso através da ressonância magnética funcional, uma técnica de “neuro-imagem” que nos ajuda a ver quais áreas são estimuladas quando o coração se parte e nossas emoções se manifestam.

Curiosamente, verificou-se que as zonas cerebrais que se ativam quando sofremos de dor física também se acendem quando algo se rompe em nós e estamos sofrendo de intensa perturbação emocional e dor.

Assim, no experimento de Eysenberg e sua equipe, criou-se uma situação: as pessoas que participaram do estudo sentiam-se excluídas, subestimadas e ansiosas. O estudo mostrou mudanças no fluxo sanguíneo de duas áreas principais do cérebro:

– O córtex cingulado anterior é uma área envolvida na geração da experiência aversiva para a dor física. Verificou-se que quanto maior a ansiedade, maior a atividade na área.
– O córtex pré-frontal era menos ativo quando a dor emocional era menor.

Como vemos, o córtex cingulado anterior é a área que desenvolve esse tipo de sentimentos de ansiedade, dor e medo do vazio emocional, causados por perda, traição ou rejeição.

Por sua vez, o córtex pré-frontal é responsável por regular nossas emoções e contrabalançar a sensação dolorosa de ser rejeitado, ajudando a acalmar a dor gerada por nossa mágoa emocional.

dormeoc3

Interessante saber que tanto os antidepressivos quanto outras drogas que estimulam o humor afetam nossos cérebros, regulando ou reduzindo a ativação da área anterior do cíngulo, que dizíamos estar envolvida na ativação. emoções e sentimentos negativos.

A conclusão de toda essa informação é que a dor física e a dor emocional compartilham o mesmo caminho no cérebro.

É por isso que não devemos subestimar as feridas emocionais e curá-las de uma forma ou de outra, e “ao ar livre”.

Se você tem um coração partido ou um amigo te trai, é extremamente doloroso no nível mental e fisiológico.

A grande maioria de nós estará ciente da fenda que sentimos quando nossa primeira história de amor termina.

Estamos acostumados a enterrar a dor emocional e não fazer caso do sofrimento ao qual nos submetemos a feridas psicológicas.

No entanto, como dissemos muitas vezes, geralmente não gostamos, a menos que tenhamos uma dor de cabeça extrema ou uma dor de estômago.

Atuando em nosso bem-estar mental e emocional, trabalhar para entender o que está acontecendo conosco e aliviar nossas queixas e ansiedades é uma maneira de evitar o sofrimento.

Assim como a dor física nos adverte de uma lesão, não podemos esquecer que a dor emocional devida à separação, rejeição ou desapontamento deve ser ouvida, pois nos ajuda a entender que algo não está certo. e que devemos agir de acordo.

Continuaremos à procura de novos estudos rigorosos que nos ajudem a entender melhor não só a presença da dor psicológica, mas também como nos aliviar e aprender com a ansiedade que ela gera.

Retirado do site Nos pensées

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: