Identidade escondida: O custo emocional de esconder quem você é

“Seja obediente. Estude. Case. Tenha filhos. Peça empréstimos. Compre muitas coisas. E, acima de tudo, nunca questione o que eles lhe disseram que você tem que fazer”, escreveu o monólogo americano George Carlin.

Vivemos em uma sociedade que, embora pareça cada vez mais permissiva e liberal, continua julgando cada um de nossos atos, condicionando assim nosso jeito de ser e agir. Às vezes, essa pressão social se torna tão forte que podemos nos sentir “forçados” a esconder quem somos, características que nos definem, mas que acreditamos que – por uma razão ou outra – não se encaixam no ambiente em que nos desenvolvemos.

Psicólogos da Universidade do Sul de Illinois nos alertam que manter uma identidade oculta tem um alto custo emocional, um custo que pode não valer a pena pagar.

girl-690327_960_720

Os riscos de esconder quem você é para tentar encaixar

Nós temos duas identidades: uma visível e outra oculta. Há coisas praticamente impossíveis de esconder que, de uma maneira ou de outra, moldam nossa identidade. Tal é o caso da nossa etnia, sexo e estatura. Há também características de personalidade que são difíceis de esconder, como extroversão ou timidez. Todas essas características, somadas àquelas que podemos ver sem problemas, compõem nossa identidade visível, que os outros percebem.

No entanto, também temos características que não queremos trazer à luz, como a nossa orientação sexual, certos problemas psicológicos, certas motivações ou pertencer a grupos religiosos minoritários. Essas características compõem nossa identidade oculta.

Há muitas razões que nos levam a querer esconder alguns aspectos de nossa identidade. Podemos pensar, por exemplo, que aqueles que compõem nossa rede social nos rejeitarão se souberem a verdade, ou talvez apenas queiramos evitar conflitos porque sabemos que eles pensam de forma diferente. Talvez nos sintamos obrigados a esconder certos aspectos de nossa identidade, porque eles representam um estigma em um nível social ou simplesmente porque queremos continuar desfrutando de certos privilégios que seriam vetados por nossa identidade autêntica.

No entanto, um estudo realizado na University of Southern Illinois revelou que pessoas com “estigmas” visíveis – como gênero, raça ou deficiência, dependendo do contexto cultural em que operam – estão sempre expostas. Eles são forçados a se preparar psicologicamente para gerenciar essas interações sociais prejudiciais.

Isso significa que, embora essas pessoas estejam expostas a um número maior de conflitos, elas também desenvolvem mais ferramentas para lidar com a adversidade, de modo que, no final, essas características supostamente negativas se tornem um incentivo para crescer emocionalmente e desenvolver resiliência. Embora pareça paradoxal, o que inicialmente foi uma desvantagem, torna-se uma situação que gera vantagens adicionais.

Pessoas com “estigmas” que podem ser escondidos, como depressão ou orientação sexual, têm a possibilidade de esconder essas características e passar como mais uma para se encaixar no grupo e evitar as consequências negativas. Entretanto, ocultar partes da identidade pode ser extremamente desgastante, porque somos obrigados a usar continuamente uma espécie de disfarce ou máscara social, o que exige um enorme “trabalho emocional”.

Ter uma identidade oculta nos obriga a ficarmos atentos o tempo todo, atentos ao que dizemos ou não dizemos, que nossas atitudes não revelam o que queremos ocultar. Isso nos leva a uma “ação superficial” na qual tentamos nos adaptar o máximo possível aos outros, o que nos levará a experimentar uma sensação de falta de autenticidade.

Em alguns casos, quando os traços que escondemos são pilares essenciais de nossa identidade, podemos sentir que somos uma “fraude”, o que acabará minando nossa autoconfiança e autoestima. O fato de esconder uma parte de nós, de certa forma, também indica que usamos a barra de medição dos outros e que não aceitamos plenamente essa característica. A longo prazo, para evitar conflitos com os outros, desenvolvemos conflitos internos. Rita Mae Brown já havia dito: “A recompensa pela conformidade é agradar a todos, exceto você “.

Esses psicólogos advertem: “ocultar a identidade pode nos fazer sentir socialmente isolados, deprimidos e ansiosos, afetando nosso desempenho e saúde”. De fato, embora escondamos certas coisas para se encaixar no grupo, no fundo sabemos que não nos ajustamos totalmente, para que possamos nos sentir ainda mais isolados, mesmo que sejam paradoxais.

woman-2609115_960_720

A “explosão” da exaustão emocional

De acordo com a pesquisa, é provável que acabemos expondo essa identidade oculta devido ao esgotamento emocional que sentimos. A tensão gerada pela ocultação desses traços acaba causando um estado de esgotamento psicológico que nos faz “explodir”.

Nesse caso, provavelmente revelaremos nossa identidade oculta da pior maneira possível, confirmando assim nossos maiores medos, já que esse ato não será marcado pela maturidade psicológica, mas por ressentimento, raiva e tensão. Culparemos os outros por nos “obrigarem” a esconder o que somos, o que apenas aprofundará a lacuna.

Também seremos mais propensos a revelar esses traços ocultos, se normalmente nos mantivermos em contato com nossas emoções. Se tivermos uma Inteligência Emocional alta, é menos provável que ocultemos características importantes da nossa personalidade, uma vez que seremos capazes de gerenciar possíveis conflitos e discrepâncias que surgirem.

Outra condição para revelar recursos ocultos é a importância que atribuímos à manutenção de um senso de identidade bem integrado. Se a congruência é um valor importante para nós, a dissonância que experimentamos escondendo partes de nossa identidade é tão grande que nos levará a revelar – mais cedo ou mais tarde – essas características.

girl-1149933_960_720

Culturas intolerantes promovem identidades ocultas

Infelizmente, ainda existem contextos em que algumas pessoas são forçadas a esconder algumas características de sua identidade. De fato, esses pesquisadores confirmaram que a abertura social, a tolerância e a possibilidade de expressar sentimentos verdadeiros são decisivos para uma pessoa decidir revelar sua identidade oculta.

Se o ambiente não é favorável, é muito difícil ser autêntico. Não é por acaso que Ralph Waldo Emerson escreveu que “a maior conquista da vida é ser você mesmo, em um mundo que está constantemente tentando fazer de você alguém diferente”, simplesmente porque ele quer que todos nós nos encaixemos em moldes predeterminados.

Pelo contrário, uma cultura que aceita a expressão individual favorece seus membros para serem autênticos e permite normalizar identidades ocultas. Essa cultura precisa aceitar que somos todos diferentes, que não gostamos das mesmas coisas, que não pensamos da mesma maneira e, acima de tudo, que não aspiramos ao mesmo.

O único limite é aquele em que a liberdade de alguém invade a liberdade do outro. Essa cultura de aceitação autêntica resulta em um bem para todos, porque a autenticidade implica riqueza e diversidade, o solo fértil para que todos possamos crescer e aprender com os outros.

Uma cultura que condena diferentes membros e os segrega é uma cultura que condena o empobrecimento intelectual e emocional. Nessa cultura, o problema não está nas pessoas que lutam para superar seus medos e tentam se mostrar ao mundo pelo que são, reside nos grupos e mecanismos de opressão que são alimentados por preconceitos e relutam em mudar.

Liberdade não significa nada, a menos que você possa ser autêntico

O medo de ser rejeitado nos paralisa, nos esquece e até nos faz esquecer quem realmente somos, tornando-se uma triste sombra do que poderíamos ter sido. Quando algo que faz parte do nosso ser não nos deixa ser, temos um problema que precisamos resolver o mais rápido possível.

Expressar nossa verdadeira identidade pode ser um processo desafiador, mas a longo prazo nos sentiremos mais satisfeitos conosco, menos ansiosos e deprimidos e poderemos até encontrar mais apoio social, ou pelo menos mais apoio genuíno, apoio ao nosso verdadeiro “eu” e não à máscara social que construímos.

Para dar esse passo, na realidade, o maior obstáculo que devemos superar são as inseguranças que temos alimentado por dentro.

A chave está em nos perguntar se precisamos de mais energia para nos esconder do que revelar nosso verdadeiro eu. Se o custo emocional que estamos pagando para esconder nossa identidade realmente vale a pena. Enfrentar esses medos pode ser extremamente libertador e pode até mudar a realidade que nos rodeia.

Embora talvez tudo possa ser resumido neste grande frase de Fritz Perls, que soube na primeira pessoa o que é pertencer a um grupo marginalizado, quando disse: “Eu sei quem você é e diga o que você sente, porque aqueles que incomodam não importam e aqueles que importam não serão incomodados”.

 

 

Fonte: Berkley, RA, Beard, R. e Daus, CS (2019) O contexto emocional de revelar uma identidade estigmatizada ocultável: um modelo conceitual. Revisão de Gestão de Recursos Humanos; 29 (3): 428-445.
Por: Jennifer Delgado Suarez
Fonte: https://rinconpsicologia.com
Imagens: Pixa bay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: